- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Natal

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório do autor

Enquanto as estrelas brilham sobre os campos
Anunciando um tempo especial
Nós dois andamos tristes p'los recantos
Por saber que tu não vens neste Natal

Á mesa e no sítio do costume
O teu lugar vazio vai-nos lembrar
Quando os três, sentados frente ao lume
Velhas histórias nos levavam a brindar

A velha chaminé que tantas vezes
Nos viu trocar as prendas em segredo
Não vai ouvir-te a voz nas nosss preces
Nem ter prenda p'ra te dar, de manhã cedo

E longe, muito longe cá da terra
Na hora da sagrada comunhão
Na luz divina que esta noite encerra
Teus olhos vão brilhar por nós, irmão

Não há natal enquanto não estiveres
Enquanto não estiveres não há natal