- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Não queiras mais saber

Fernanda de Castro / Elvira de Freitas
Repertório de Ada de Castro


Não queiras mais saber, que importa
Na verdade, se estou viva, se estou morta
Não posso mais sofrer, nem quero
Que a saudade faça ninho à minha porta

Adeus, não te quero mal nem bem
Mas preciso de esquecer
E a ansiedade não convém
Adeus, desta vez cheguei ao fim
Covardia? talvez não!
Mas orgulho, orgulho sim

Amar-te sem amor e pudor, sem perdão
Adeus, tudo acabou, sê feliz
Difícil arrancar uma ilusão, uma raíz
De amor que a vida quer, que o fado quis


Não mintas, mas eu sei que mentes
Pois agora, pouco ou nada por mim sentes
Promessas para quê? são falsas
Vou-me embora, fecho alma e aperto os dentes

Adeus, não me queixo, aceito a dor
Porque esperas? vai com Deus
Deixa o espinho, leva a flor
Adeus, acabou-se o meu tormento
Finalmente já sou como folha solta ao vento