- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

As vozes do silêncio

Maria Manuel Cid / Casimiro Ramos *fado Alberto c/arranjos de José Cid*
Repertório de Maria Veneno


Nos salgueirais do Tejo, meu corpo adormeceu
Vestido com as sombras, em noites de luar
Na cama de folhagem, amor aconteceu
E as vozes do silêncio, passaram devagar

Vieram as estrelas, beijar enternecidas
Meu peito desnudado, liberto de silícios
As aves descuidadas, voaram divertidas
Levando para o céu, os sonhos e os vícios

Ali naquele instante, deixei de ser criança
Menina navegando, nas ondas do seu berço
A dor do meu cansaço, foi gota de bonança
Levando com as águas, as contas do meu terço

Nos salgueirais do Tejo, bebi a minha seiva
Rasguei a minha terra, quebrei o meu arado
Desfiz com o meu corpo, torrões da sua leiva
E nela o meu desejo, deixei abandonado