- - -

- - -
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...
- - -
° 6.000 publicações <> 1.750.000 visitas <> Maio 2020 °
- - -
° POR QUESTÕES DE FUNCIONALIDADE EXISTEM ÍNDICES DIVIDIDOS EM 2/3 COLUNAS // Os fados de Coimbra e os Humorísticos estão em colunas isoladas °
- - -
° Procure a letra do Fado // Pelo título correto // E veja aqui publicado // O seu Fado predileto // Se não encontra o seu fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido °
- - -
° fadopoesia@gmail.com °

.

Madrugada de Alfama

David Mourão Ferreira / Alain Oulman
Repertório de Amália


Mora num beco de Alfama
E chamam-lhe a madrugada
Mas ela, de tão estouvada
Nem sabe como se chama

Mora numa água-furtada / Que é a mais alta de Alfama
E que o sol primeiro inflama / Quando acorda à madrugada;
Mora numa água-furtada

Que é a mais alta de Alfama

Nem mesmo na Madragoa / Ninguém compete com ela
Que do alto da janela / Tão cedo beija Lisboa

E a sua colcha amarela / Faz inveja à Madragoa
Madragoa não perdoa / Que madruguem mais do que ela;
E a sua colcha amarela
Faz inveja à Madragoa

Mora num beco de Alfama / E chamam-lhe a madrugada
São mastros de luz doirada / Os ferros da sua cama

E a sua colcha amarela / A brilhar sobre Lisboa
É como a estatua de proa / Que anuncia a caravela;
A sua colcha amarela
A brilhar sobre Lisboa