- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Meio palmo de silêncio

Rui Manuel / Arménio de Melo
Repertório de Chico Madureira

Há só meio palmo de silêncio a separar
A razão que cada um de nós diz possuír
Embora pequena, essa distãncia há-de bastar
Se nada fizermos no sentido de impedir

Que o orgulho possa ganhar corpo, ganhar voz
E venha erguer um muro ente nós

Se duas pessoas não conseguem conviver
Não espanta que o mundo mostre isso em ponto maior
Tornamos difícil o que é fácil de dizer
Jé basta de silêncio, meu amor

Há só meio palmo de silêncio e todavia
As bocas não ousam a palavra que o transponha
As mãos vão retendo uma carícia que se adia
Os olhos escodem o remorso ou a vergonha

De não ter coragem p’ra fazer um simples gesto
E deixar que a ternura faça o resto