- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A história do Simão

António Tavares Teles / João Braga
Repertório de João Braga

Num beco da ribeira, junto ao rio 
A chuva miudinha, ancestral
Num restaurante antigo, agora aberto

Camilo escreve um artigo de jornal
Enquanto aguarda um tipo pró bater
Vai ao Majestic muito queque
O Gomes marca um golo divinal

Fintando o guarda-redes e o beque

E um fadista numa tasca ali ao pé
Canta a história do Simão

Do amor de perdição
Que é aquilo que o Porto é


A Gaia tão inglesa chega o vinho

Rabelo, do Pinhão para o estrangeiro
Pedroto vai ás Antas e a caminho

Saúda D. Afonso, o rei primeiro
Que em busca de Lisboa, do amor

De uma maometana, passa o Freixo
Enquanto com o Eça, o Ramalho

Come um par de filetes no Aleixo

O Porto de um poema do Eugénio

De Andrade, tão sentido pelo Tê
Do Douro, das barcaças, dos franceses

Da ponte D.Luiz que o Eiffel fez
Enquanto conversava com o Oliveira

Manuel, não com u mas com um ó
O Benfica perdia no Salgueiros e

E ele filmava o Aniki e o Bobó

Num beco da Ribeira, junto ao rio 

A chuva miudinha, ancestral
Num restaurante antigo, agora aberto

Transcrevo este retrato original
Ditado por Camilo a Ana Plácido

Do fundo do cárcere ignominioso
Com letra dum poeta marginal 

E música do Braga ou do Veloso