- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado rambóia

Fernando Farinha / Alberto Correia
Repertório de Fernando Farinha

Aluguei uma tipóia / Toda chique e enfeitada
Hoje vou para a rambóia / Só venho de madrugada

Quero ir a trajar bem / P’ra que toda a gente diga
Que eu sou novo, mas também / Sei vestir à moda antiga

Traz-me daí a guitarra
Dá-me a samarra e o masantino
A minha cinta bizarra
E a calça à boca de sino;
Quero a bota afiambrada
Bem engraxada, p’ra dar nas vistas
Mostrar à rapaziada
Que ainda existem fadistas

Vê lá, não quero chegar / A Vila Franca atrasado
Hoje não posso deixar / De ver a espera de gado

Hei-de ir à tarde à corrida / E à noite, a minha garganta
Há-de mostrar de fugida / Como é que o fado se canta