- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Casa-mãe / cidade

Aldina Duarte / Jaime Santos *fado jaime*
Repertório de Aldina Duarte

Hora a hora dia a dia
Pelas ruas encantada
Andei a ver se entendia
A cidade tão cansada;
Casas tristes, desoladas
Juntas soltam um queixume
Sobrevivem em fachadas
De abadono e de ciúme

Nas varandas enlaçadas / Pelas heras da saudade
Oiço rir ás gargalhadas / Entre risos doutra idade
Na calçada envelhecida / Faltam pedras pelo chão
Os canteiros são a vida / Dos becos da escuridão

Quer de noite, quer de dia / Meu mistério decifrava
E se acaso eu me perdia / Mais de mim eu encontrava
Mesmo em frente á casa-mãe / Encontrei-me na distãncia
Ai de quem por si não tem / Na memória, qualquer esperança