- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Altar do fado

Armando Costa / Alfredo Duarte Marceneiro
Repertório de Gil Costa

Não tem ninguém, a Ti Rosa
Vive ali triste e sozinha
Num silêncio amargurado
Nem a guitarra chorosa
Voltou à tasca velhinha
Que foi um altar de fado

Na curva da estrada velha
Onde havia a Quinta Grande / Dos fidalgos de Sabóia
Era do fado a centelha
E os fadistas desse tempo / Iam para ali de tipóia

Na parede, umas faianças
Um pampilho, uma guiseira / Mais um ferro do Pedrosa
São tudo gratas lembranças
A bailar entre saudades / Das saudades da Ti Rosa

À meia-luz da janela
Passa os dias a lembrar / Os descantes do passado
Já ninguém se lembra dela
Da sua tasca velhinha / Que foi um altar de fado