- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O menino da sua mãe

Fernando Pessoa / João Braga
Repertório de João Braga

No plaino abandonado / Que a morna brisa aquece
De balas trespassado / Duas, de lado a lado
Jaz morto, e arrefece

Raia-lhe a farda o sangue / De braços estendidos
Alvo, louro, exangue / Fita com olhar langue
E cego os céus perdidos

Tão jovem, que jovem era / Agora que idade tem?
Filho único, a mãe lhe dera / Um nome e o mantivera
O menino de sua mãe

Caiu-lhe da algibeira / A cigarreira breve
Dera-lhe a mãe, está inteira / É boa a cigarreira
Ele é que já não serve

De outra algibeira, alada / Ponta a roçar o solo
A brancura embainhada / De um lenço, deu-lho a criada
Velha que o trouxe ao colo

Lá longe, em casa, há a prece / Que volte cedo e bem
Malhas que o Império tece / Jaz morto e apodrece
O menino da sua mãe