- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A candeia

Frederico de Brito / Joaquim Campos *fado vitória*
Repertório de Fernanda Maria


Não o via hã tantos dias
Tinham dado avé-marias
Na capelinha da aldeia
Esperava por ele e não vinha
E como estava sózinha
Fui acender a candeia

Gemia o vento lá fora

Passa uma hora, outra hora / E ao romper da lua cheia
Ei-lo que vem, meigo e doce

E fosse lá p’lo que fosse / Tinha mais luz a candeia

Mil beijos, mil juramentos
E nesses loucos momentos / Toda a minh’alma se enleia
Quis mostrar-me o amor seu
E jurou que era só meu / P’la luz daquela candeia

Mas vi-lhe a boca a tremer
Eu mesma nem sei dizer / O que me veio à ideia
É que a verdade realça
Essa jura era tão falsa / Que se apagou a candeia