- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O mar fala de ti

Tiago Torres da Silva / Ernesto Leite
Repertório de Mafalda Arnauth

Eu nasci nalgum lugar
Donde se avista o mar tecendo o horizonte
E ouvindo o mar gemer
Nasci como a água a correr da fonte

E eu vivi noutro lugar
Onde se escuta o mar batendo contra o cais
Mas vivi, não sei porquê
Como um barco á mercê dos temporais

Eu sei que o mar não me escolheu
Eu sei que o mar fala de ti
Mas ele que fui eu que te levai ao mar, quando te vi
Eu sei que o mar não me escolheu
Eu sei que o mar fala de ti
Mas ele sabe que fui eu quem dele se perdeu assim que te perdi

Vou morrer nalgum lugar
De onde possa avistar a onda que me tente
A morrer livre e sem pressa
Como um rio que regressa á nascente

Talviz ali seja o lugar
Onde eu possa afirmar que me fiz mais humano
Quando, por perder o pé
Senti que a alma é um oceano