- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Cidade aguarela

José Fernandes Castro / Jaime Santos *fado jaime*
Repertório de Maria Antónia

Vejo da minha janela

Uma aguarela de brilho novo
É apenas claridade

Desta cidade, mãe do seu povo
Vejo traços de glória

Fazendo a história deste país
No olhar duma criança

Vejo a esperança brincar feliz

Vejo rituais de fado

Fazendo o agrado do coração
Sempre que a cidade canta

Não há garganta que diga não
Quando a cidade adormece

Até parece que não tem voz
Então sinto a madrugada

Bem acordada, velar por nós

Quando a cidade desperta

Já tenho aberta a tal janela
Com o olhar do desejo

Deponho um beijo nessa aguarela
Com os sentidos dispersos

Escrevo versos de felicidade
Rimando sol de ternura

Com a doçura desta cidade