- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por momentos

Letra e musica de Jorge Fernando
Repertório de Raquel Tavares

Por momentos...
Inquetou-se o meu olhar no teu
Perdida nos pensamentos onde me escondo
Por momentos...
Descuidou-se o teu olhar no meu
E á mercê desses tormentos tu me vais pondo

Tu nasceste por mim e por mim esperas
No azul escuro da nossa fria solidão
Como em Roma um cristão lançado ás feras
Assim se sente no peito o meu coração

Como a gaivota que rompe a irmandade
Incapaz de voar firme com o seu bando
Assim eu ando p'las ruas da velha cidade
Sem que a cidade velha perceba onde eu ando

Então diz-me meu amor, quem mais se importa
Com este escuro azulado da solidão
És a mão que pode abrir toda a minha porta
Mas no momento esperado, retiras a mão