- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A fuga da Mariquinhas

Torre da Guia / Popular *fado mouraria*
Repertório de Nuno de Aguiar

Depois do tal leilão
A Mariquinhas, com fé
Deu-se d'alma e coração
Ao Porto, e vive na Sé

Com as tralhas no passeio / Sobre a troça das vizinhas
Enervada, a Mariquinhas / Sem medo do devaneio
Zangada tirou do seio / Um antigo medalhão
Saudosa recordação / Que guardava com amor
Seu derradeiro valor /
Depois do tal leilão

Não fazendo caso delas / Passou pelo penhorista
E com o dinheiro à vista / Foi à feira de Odivelas
Com a maior das cautelas / Comprar em boa maré
Um *burro* cor de café / E pedindo a Deus mais sorte
Pôs-se a caminho do norte / A Mariquinhas com fé

O *burro* tinha manias / Era teimoso, era torto
Mas lá chegaram ao Porto / Ao cabo de quinze dias
Pondo fim às arrelias / A Mariquinhas, então
Alugou um rés-do-chão / Com o resto do dinheiro
E àquele pardieiro / Deu-se d'alma e coração

Como viu valer a pena / E até gostava do ócio
Tratou de arranjar um sócio / Que é um tal Gil de Vilhena
Que de mão firme e serena / Sabedoria e gajé
Pôs o fado ali de pé / Hoje em dia a Mariquinhas
Deu o cofre e as tabuinhas / Ao Porto, e vive na Sé