- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Esta noite com o fado

Fernando Campos de Castro / Carlos da Maia
Repertório de Carla Linhares

Nesta hora que se arrasta
Procuro na noite vasta
Um cantinho p’ra ficar
Um espaço que me acoite
Onde as horas desta noite
Não custem tanto a passar

De longe um vento gelado
Vem colocar-se a meu lado / Como se fosse um assombro
Sinto as suas mãos tão frias
De saudade e agonias / Sobre o gelo do meu ombro

Percorro as ruas sozinhas
E todas elas são minhas / Nas suas sombras e medos
Não passa um vulto sequer
Onde possa adormecer / Os meus sonhos e segredos

Ó noite da minha alma
Dá-me luz e toda a calma / Do teu mundo sossegado
Dá-me espaço p’ra ficar
Onde me possa deitar / 
Esta noite com o fado