- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Violência doméstica

Mário Rainho / Marina Mota
Repertório de Marina Mota

Os lábios dela já só murmuram cansaço
Nas veias dela pulsa lento o sangue quente
Aos braços dela já não se cola um abraço
Isto, porque ela até se esquece que é gente

A voz calou-se
Como se pecado fosse
Falarmos da sua dor
E tem no peito 
A bater descompassado
O coração envergonhado
Só porque sentiu amor
Olhem pra ela
Esse corpo fustigado
Onde um grito amordaçado
Por medo já se escondeu
Reparem nela
Não finjam que não notaram
Que as forças já se esgotaram
Mas a alma não morreu


Dos olhos dela escorre o mar da humilhação
Vive com ela a mais dura solidão
Sorri p'ra ela, dá-lhe um pouco de atenção
Que a vida dela pode estar na tua mão