- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.360 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Foi Deus que assim quis

Frederico de Brito / Nóbrega e Sousa
Repertório de Ada de Castro

Quem foi o artista
Quem foi que pintou
O quadro mais lindo
Qe o mundo sonhou

Tem sonhos de cores, mistérios de luz
Mas tudo num gosto que prende e seduz

Há fontes cantando nos altos rochedos
Casinhas branquinhas por entre vinhedos

A gente vê rios descendo as encostas
Os choupos olhando pró o céu, de mãos postas

Sobreiros que contam cem anos e mais
E ainda são guardas de longos trigais

Os sinos das torres tangendo matinas
O gado pastando nas loiras campinas

Arribas de areia, muralha dos mares
O verde gritante dos vastos pomares

Valados cobertos de lindas roseiras
Barquinhos ao longe de velas ligeiras

Marinhas mostrando montanhas de sal
E tudo a falar-me do meu Portugal