- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Homens de amanhã

Frutuoso França / Joaquim Campos *fado alexandrino*
Repertório de Frutuoso França 

Passava à minha rua, manhã de todos dias
Um lindo garotito, maroto e bem traquina
Passava a assobiar, expandindo alegrias
Mas ia pró trabalho cumprir a sua sina

Tinha então doze anos, ainda por fazer
Mas meteu-se em cabeça, também de namorar
Então todos os dias, p’ra ela lhe aparecer
Passava à minha rua, pondo-se a assobiar

A nomorada era uma rosita a abrir
Mas linda como os anjos de rosto meigo e brando
E eu um dia que os vi, perguntei-lhes a rir
Se não tinham vergonha de estarem namorando

Senhor, eu já trabalho e tenho amarga lida
E cumpro o meu dever perante a minha mãe
Sou novo bem o sei, mas ganho a minha vida
E aprendo ao mesmo tempo a namorar também

Vou terminar dizendo quero ter uma casinha
Onde caiba o amor e a pura lei cristã
Eu fiquei a pensar e lá foi à vidinha
O mais bonito exemplo dos homens de amanhã