- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Não sei como nem quando

José Vasconcelos e Sá / Tó Zé Brito
Repertório de António Pinto Basto

Confesso que as palavras dessa boca
Ó que doçura tão louca
No momento em que as ouvi
O amor com que as odeio
Faz-me tremer com receio
Por muito gostar de ti

Confesso, olhaste de uma maneira
E por mais que eu não querira
Ó minha flor de jardim
Teus olhos, a vida inteira
Nossa estima verdadeira
Hão-de viver sempre em mim

Confesso, meus versos canto chorando
Eu não sei como nem quando o teu sorriso acabou
Sinto lágrimas no rosto
Também memórias, desgosto que nem a morte apagou