- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.525 LETRAS PUBLICADAS <> 2.572.800 VISITAS < > SETEMBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Amor na praia

Torre da Guia / Alvaro Martins *fado laide* 
Repertório de Adelaide Madrugada 

Os nossos corpos marcados sobre a areia
Marcaram bem o amor que fizemos
Enquanto o mar descia a maré cheia
Dos belos sonhos que um dia tivemos

Até as ondas pareciam revoltadas
Por se dobrarem em cachões de espuma
Como soubessem estarem condenadas
A morrer na praia uma a uma

Os nossos passos desfeitos no regresso
Abandonaram a praia profanada
Com os sinais do amargo retrocesso
Daquela amor que demos para nada

Passos distantes, no fim já separados
Pelo confronto unido da partida
Que o mar tornou motivos apagados
Como se ali jamais houvesse vida