- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.350 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Bruxa de pinho

Jorge Rosa / Francisco Carvalhinho
Repertório de António Mourão

Guitarra minha guitarra / Bruxa bizarra de doze cordas
Só tu animas e acordas / O fado que a mim se agarra

Se te encosto junto ao peito / Num terno jeito de quem embala
O peito quase me estala / A palpitar de satisfeito

Bruxa de pinho, mãe do castiço
Tem um feitiço que não se entende
Mas adivinho quando te abraço
Que existe um laço que a ti me prende;
Guitarra tu és a amarra
Que prende a minh'alma ao fado
Eu e ele sem ti ao lado
Não somos nada minha guitarra


Há quem se rale e amofine / E não se afine p'la sua escala
Deixa ralar quem se rala / Basta que eu não desafine

Só peço a Deus, que por sorte / E até á morte, oh feiticeira
Sejas minha companheira / E minha estrela do norte