- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fora de moda

Tiago Torres da Silva / Valter Rolo
Repertório de Joana Amendoeira 

Disse que não ia  / E agora desdigo
Vou à romaria / P’ra me encontrar contigo

Mas se perguntarem / Diz que lá não me viste
Que é p’ra não falarem / Do que ‘inda não existe

Sobre uma paixão
Não se pode fazer uma alusão banal
Sem a transformar
Em confusão, em dor, ou mesmo em medo
Sobre uma paixão
Há que aprender que o silêncio é essencial
Acho que nós
Só podemos existir quase em segredo

Toquem uma valsa / De um sabor tão antigo
Eu já estou descalça / P’ra ir dançar contigo

Façam-me a vontade / Eu quero abrir a roda
Já tenho saudade / De estar fora de moda

Se alguém nos seduz / Nem sentimos a falta
Dos focos de luz / Que enfeitam a ribalta

Sei que te pertenço / Por ter reconhecido
Um prazer imenso / Em cantar ao teu ouvido