- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Ai Miriam

Manuela de Freitas / José Mário Branco
Repertório de Camané

Quem te visse aprumadinha / Camisa, calça de ganga
Colarzinho de missanga / E quase sempre sozinha

Mas chegando a madrugada / Montavas a bicicleta
De t-shirt e calça preta / E grande capa doirada
Uma argola na orelha 
E uma mochila vermelha

Quem havia de dizer / O que andavas a fazer
Ai Miriam... quem te vissse
A passear no Chiado / Com o teu ar aprumado

De repente tão reguila / E o que era mais estranho
È que essa tua mochila / Parecia sem tamanho

Lá cabia o que tiravas / De toda a parte onde andavas
Sem que ninguém te apanhasse / E sem que ninguém te visse
Qual Robin que se inspirasse 
Nas aventuras de Alice

Quem havia de dizer / O que tu ias trazer
Ai Miriam... quem te visse
De dia, uma boa menina / E à noite, super heroína

Vejam só as coisas que ela trazia:

Um grande queijo da serra 
Um dicionário, um colchão
Um bom pedaço de terra 
Um combóio, um avião
Uma fábrica, um lagar 
Uma viagem p'lo mar
A pomada e a aspirina 
A cirurgia, a consulta
Estacionamento sem multa
Um posto de gasolina
Um bilhete pró teatro
Umas férias em Berlim
Uma casa e um jardim 
Um alvará e um contrato
Um bife, uma sopa quente 
Uma visita a Foz Côa
Uns patins, uma meloa 
Um expresso do Oriente
Uma sara de trigo 
Um livro de ilustrações
E um outro muito antigo
Um parque de diversões
Um presunto, uma braguesa
Uma praia tropical
Um carnaval em Veneza 
Uma ceia de natal
Os discos do violinista 
Os DVDs da fadista
Um trabalho criativo 
Um bom canal de TV
E os Stones ao vivo 
Ida e volta a São Tomé
Um piano e um trator 
Um pão, um computador
Uma pescada, um balet
Uma sessão de cinema
Um brinquedo e um poema
Uns ténis, uma aguarela
Uma toalha de linho 
Uma bola, uma traineira
Um curso, um barco à vela 
Um rebanho, uma lareira
Um Porto, um verde fresquinho

E muito mais, muito mais / As coisas essenciais
P’ra se poder escolher / A vida que se quer ter

E de toda a parte vinham / Os que nunca nada tinham
Fazer um grande festim / Com tudo o que tu trazias
Como se todos os dias 
Tudo fosse sempre assim

Quem é que pode saber / O que vai acontecer
Ai Miriam... quem te seguisse
Se muitos fossem capazes / De fazer o que tu fazes

Entretanto nestas bandas / Já pergunta toda a malta
Ai Miriam... onde é que andas
Tu não és a solução / Mas fazes cá muita falta