- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A Camélia dos jornais

Fernando Farinha / Domingos Camarinha
Repertório de Fernando Farinha

A Camélia dos jornais
Ardina em Campo de Ourique
Tanta fala à gente chique
Como aos homens mais boçais

As notícias actuais
Dá-nos ela, dia a dia
Mas disto, que nos avia
Não sabe menos mem mais

Sempre que a vejo no seu jeito malandrão
Bradando aos céus um pregão
Que a terra faz estremecer
Pressinto logo, nesse grito desvairado
Um coração revoltado
Com mil coisas p'ra dizer


A Camélia dos jornais
Tem uma história também
História de mulher e mãe
Que pouco importa aos demais

P'ra quê contar coisas tais
A gente que não entende
Que nem sequer compreende
Os seus pregões colossais

Quando a Camélia por mim passa, apregoando
Fito os seus olhos brilhando 
E às vezes fico a pensar
Se aquele pregão, tão triste, e
mbora estridente
Não será mais fielmente
Uma forma de chorar