- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

O pregão da Rosalina

António Vilar da Costa / Martinho d'Assunção
Repertório de Tristão da Silva

De manhã cedo, quando à minha rua passa
Acho-lhe graça e já estou à sua espera
Risonho e ledo, seu pregão tem a magia
Do trinar da cotovia e
m manhã em primavera

A Rosalina
A vendedeira mais nova
Faz do pregão uma trova
Que já todo o bairro nota
Voz cristalina
Que me rasga o coração
Quando me mostra na mão
Os figos de capa rota


De brincadeira, sem que ela nunca se ofenda
Traz-me a merenda e
 a sorrir, sempre lhe digo
Ai feiticeira, não me lances tais olhares
Pois se não te acautelares u
m dia chamo-te um figo

Ela sorri
Sempre picante no trato
Com um sorriso gaiato
Que deixa minh'alma louca
Pois sempre ouvi
Que nesta vida de perigos
Há uns que comem os figos
E a outros, rebenta a boca