- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

És linda muito linda

Linhares Barbosa (?) / Casimiro Ramos *fado alberto*
Repertório de Alberto Jorge

És linda, muito linda, na verdade
Mas feia, por seres má a todo o instante
Julgas que és alguém e por vaidade
Não respeitas a dor do semelhante

Escarneceste há pouco, que eu bem vi
Daquela pobrezinha que passou
Ela também já foi igual a ti
Sofreu, unicamente porque amou

Julgou a vida um sonho todo rosas
Nos braços dum amor perverso e triste
Que a seduziu com juras mentirosas
E dela fez aquilo que tu viste

Hoje vive em constante desatino
Pois não há bem algum que não se acabe
Nós somos os brinquedos do destino
E o dia de amanhã ninguém o sabe

O rir de quem padece, é crueldade
Medita em tudo isto e sê prudente
Que a sorte é caprichosa, e a vaidade
Tem sido a perdição de muita gente