- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Por perto

Letra e música de Jorge Cruz
Repertório de Sara Correia


Mais vale abrir trincheiras, fechar fronteiras
Pôr guarda à volta do perímetro
Trocar as fechaduras, estar às escuras
Baixar os estores, apagar o lume;
Mandar para a sucata os discos do Sinatra
Do Marvin e até do Chico
Esquecer o tal vestido e o armora desse teu perfume

Pôr o telemóvel em modo de voo
Espalhar um par de armadilhas p’lo caminho
Reler os manuais de compustura e decoro
Guardar no armário as garrafas de bom vinho

Partir de férias, desaparecer 
Ficar de cama, adoecer
Refugiar-se num safari pe’lo deserto
Sempre que andares por perto

Não tarda vais ligar-me 
Puxar do charme
Às quatro e tal da madrugada
E por mais que isso me irrite 
Vou caír no teu convite
Saír p’ra fora dos carris
Vai soar aquela rima 
Olhar aquele clima
E em vez de querer que o tempo passe
Vou mentir-me a mim própria 
Nos teus braços achar-me feliz

Quando der por mim, já estou a rir das tuas graças
E a apontar constelações no céu estrelado
A reparar em pormenores de cada coisa que faças
A dançar de coração sobressaltado

Vai-se acender o meu rastilho
Tu vais premir o meu gatilo
Depois partir pela mnhã, ah isso é certo
Sempre que andares por perto

Um olá nunca é apenas um olá
Um momento nunca é só um momento
O melhor é não lançar beatas
Pró rescaldo do incêndio