- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

O fado que eu conheci

Jorge Rosa / Carlos Macedo
Repertório de Pedro Lisboa

O fado que eu conheci / Tinha samarra e boné
Calça justa, cachené / E paletó de caqui

Presa no canto da boca / Uma beata modesta
E debruçada na testa / Aquela melena louca

O figurino
Por, talvez antiquado
Não puxava muito ao fino
Mas cheirava muito a fado
E no seu estilo
Tinha a voz cansada e rouca
Mas fado na sua boca
Dava gosto, gosto, ouvi-lo


O fado que eu conheci / Vadio de tasca em tasca
Fora de si, sempre à rasca / Um copo aqui outro ali

Filho da noite e da estúrdia / Da boémia companheiro
Tinha o travo verdadeiro / Da verdadeira balbúrdia