- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.315 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A tua estátua

Capícua / Carlos Simões Neves *fado tamanquinhas*
Repertório de Marco Rodrigues

No vidrado súbtil
Do azul do azulejo
Eu me tinjo em teu anil
Eu te vejo e te desejo
Nas linhas do teu perfil

Eu esbocei o teu croqui / Com saliva e aguarela
E na tela eu descobri
Sem a roupa, a tua pele / É quase como um biscuit

Essa tez fez-se um verniz / Na tua nudez de época
Retocada a pó de giz
Em tua pose perpétua / Não és pedra por um triz
Retocada a pó de giz
No teu brilho madrepérola / Não és pedra por um triz

O teu baton fez-me drácula / Nas sardas, a via láctea
Perfeita sem uma mácula
De mármore, assim linfática / Vou esculpir a tua estátua
Perfeita sem uma mácula
Prometi, jurei a Fátima / Vou esculpir a tua estátua