- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Das horas abandonadas

Rodrigo Costa Félix / Tiago Machado
Repertório de Sandra Correia

De onde me vem esta voz
Que é mais antiga que o tempo
Do tempo da minha idade
Virá do fundo de nós
Daquele breve momento
Em que não fomos saudade

De onde me vem esta dor
Que se solta quando canto
E me entorpece os sentidos
Virá de ti, meu amor
Do teu riso, do teu pranto
Ou dos meus sonhos perdidos

De onde virá a tristeza
Que me veste as madrugadas
Deste fado escuro e frio
Virá meu bem, concerteza
Das horas abandonadas
Do nosso quarto vazio

De onde vens tu, que não chegas
Não me abraças, não me beijas
Nem me esperas na entrada
Do futuro que me negas
Só lembranças tu me deixas
Mas eu não quero mais nada