- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.180.000 VISITAS <> JUNHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Chiado antigo

Tema gravado por Salvador Taborda com o título 
*Sonata do Chiado antigo*
César de Oliveira / Thilo Krasman
Repertório de José da Câmara 

Pelos ferros forjados da janela
Vejo tremer a renda de franzir
E o sinal dessa rosa amarela, meu amor
Dizendo; vou sair
Gritando; vou sair

Vou esperar-te mesmo em frente da Havaneza
Fingimos que o encontro aconteceu
E levo concerteza, concerteza, outra flor
Dizendo; cá estou eu
Gritando; cá estou eu

Velho Chiado enamorado
Ai… quanto amor ali nasceu e morreu
Velho Chiado vejo-me ao espelho
Quem está mais velho?
Serás tu ou eu?

Fomos comer pãezinhos de erva-doce
Ouvindo o choro alegre dum violino
E tinhas no olhar fosse o que fosse, meu amor
Mais doce que os pãezinhos
Mais doce que os pãezinhos

Subimos a correr, Chiado acima
Coraste de prazer e d’emoção
Paraste e perfumaste a Lúcia-lima, meu amor
E nessa noite então, pedi a tua mão