- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Princesa *enxerto*

Ary dos Santos / Armandinho *fado alexandrino antigo
Repertório de Valentim Matias 

Era uma vez um país na ponta do fim do mundo
Onde o mar não tinha eco, onde o céu não tinha fundo
Onde longe longe longe, mais longe que a ventania
Mais longe que a flor da sombra, Oou a flor da maresia

em sete lagos de lume, sete castelos de sal
Sete cristais de perfume, sete lâmpadas de vinho
Sete punhais de ciúme, Ssete coroas de azevinho
Sete pétalas de mel, sete pulseiras de sal

Uma princesa vivia com sete véus de coral
Sete estrelas por docel, sete pedras por degrau
Sete nuvens por anel e sete céus por caminho
Era uma vez um país na ponta do fim do mundo


Onde o mar não tinha eco, onde o céu não tinha fundo
Onde longe longe longe, mais longe que a luz do dia
Mais longe que a flor da sombra ou a flor da ventania
Uma princesa nascia da corola do seu tempo
Enquanto a neve caía dos seus dois braços de vento