- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Mãos de mãe

Francisco Radamanto / Armandinho *fado alexandrino antigo*
Repertório de César Morgado 

És linda minha mãe, és uma linda aurora
És o sol a nascer para me vir beijar
Teu rosto me parece o de Nossa Senhora
Que está na linda igreja onde vamos rezar 

O pequeno beijou o rosto de sua mãe
Que viveu radiante os momentos felizes
Mas logo continuou; as tuas mãos porém
São tão feias assim cheias de cicatrizes 

Num movimento brusco ela as mãos retirou
Disfarçando a sorrir uma amargura infinda
O pai que tudo ouviu, seu filho então chamou
Dizendo-lhe, vem ouvir uma história bem linda 

Escuta, era uma vez certo lindo menino
Que no berço dormia um sonho sossegado
Quando em hora fatal, por descuido ou destino
Nas cortinas de renda o fogo se há pegado  

Da ama, ao brado aflito acorreu logo a pobre mãe
Que à chama, desvairada o seu filho arrancou
E ela que tinha as mãos mais lindas que ninguém
Com essas doces mãos assim feias ficou  

O petiz compreendeu toda a lição que tinha
Esta singela história e num sentir profundo
Beijou a mãe, dizendo; as tuas mãos mãezinha
São as mais lindas mãos que existem neste mundo