- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.485 LETRAS <> 2.524.500 VISITAS <> JULHO 2022 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vai-se traçando um destino

Tiago Torres da Silva / Casimiro Ramos *fado três bairros*
Repertório de Emanuel Soares

A terra não cicatriza
Das marcas que alguém que a pisa
Vai deixando levemente
Meu amor, a terra chora
Porque o tempo è uma espora
Amarrada aos pés da gente

Se um homem deixa pegadas
Vão-se desenhando estradas / Vai-se traçando um destino
E na marca do seu pé
Um homem pouco mais é / Do que um Deus feito menino

Mas se uma mulher avança
Vem um pé, um outro dança / E o tempo rodopia
Levanta-se o pó do chão
E a terra sente afeição / Pelo pé que a repudia

Os homens traçam caminhos
E seguem sempre sozinhos / Sem a chance de parar
Sabendo em cada pegada
Que a mulher è que è a estrada / 
Onde aprendem a andar