- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

* Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor *

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* SE NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------

2.135.500 VISITAS /*/ 31.05.2021

--------------------------------------------------

NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO.
Vasco Graça Moura /// Porto 03.01.1942 /// Lisboa 27.04.2014
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Sabores da noite

Paulo Abreu de Lima / Fernando Alvim
Repertório de António Zambujo

Portas abertas, vidas despertas
Sonhos desfeitos na cor
Juras, promessas, becos, travessas
Falsas permissas de amor

Vícios baratos em corpos gastos
De tantos copos de Gin
Gritos sem voz dentro de nós
Nas madrugadas sem fim

Sou da noite filho predileto
Condenado à sina do cantor
Trato das palavras com afeto e amor
Como a florista a uma flor

Chego a casa morto de cansaço
Com saudades muitas de te ter
Mas do teu ciume que renega o abraço
És mulher que cega ou não quer ver

Voltei ao bar para afogar
Eternas sedes de ti
Na mesa farta de outra mulata
Que foi cama onde dormi

Morde e abusa, rasga a blusa
E diz-me sempre que sim
Nos desvarios de amores vadios
Com princípio meio e fim