- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.305 LETRAS <> 2.220.000 VISITAS <> JULHO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Talvez

Manuela de Freitas / Pedro Moreira
Repertório de Cristina Branco

Vais dizendo que estou louca / Que não me fazes feliz
Mas ao beijar a tua boca / Não é isso que ela diz

E basta dizer o meu nome / Como só ela é capaz
P’ra matar a minha fome / Dos beijos que não me dás

Talvez meu amor, talvez
Talvez seja insensatez
Talvez que eu esteja enganada
Mais mês, menos mês
Um, dois, ás duas por três
Tudo isto acabe em nada

Tu não suportas a rede / Que teço para os teus passos
Mas vais matando esta sede / De te enredar nos meus braços

Repetes que ainda é cedo / Para saber o que queremos
E é tarde para ter medo / Daquilo que já sabemos

Talvez meu amor, talvez
Talvez seja insensatez
Talvez que tenhas razão
Mas diz-me então os porquês
De dizeres sempre talvez
Em vez de dizeres que não

Eu hei-de te repetir / Talvez meu amor, talvez
Até que te oiça pedir / Meu amor, fica de vez