- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eléctrico amarelo

Carlos Tê / Rui Veloso
Repertório de Cristina Branco

Sentei-me ao lado do tempo
Num eléctrico amarelo
Senti-me um rei em viagem
Sobre rodas, num castelo

Da janela, os jardins / Eram legos fabulosos
Com faunos e arlequins / E arcamjos preguiçosos

Uma voz disse cordata / *O bilhee por favor*
Pareceu-me que era de prata / O alicate do revisor

Depois tudo se sumia / Ao chegar ao meu destino
O passageiro crescia / E deixava de ser menino

Não via o tempo ao meu lado / Nem dei por ele descer
Ia no passeio, apressado / Rumo áquilo que eu vou ser

Lá vai o eléctrico, vai / É bonita essa aguarela
Menino ao colo do pai / Dizendo adeus, à janela