- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado intervenção

João Gigante Ferreira / Tino Flores
Repertório de Helena Sarmento

São de fome e de marfim
Estes olhos moribundos
Uma terra e tantos mundos
No mundo que existe em mim

Deitados no pó da morte / Sem ter Deus por companhia
Sempre noite em pleno dia / Este-oeste, sul ou norte

É da guerra que te canto / E da fome que há no mundo
É deste sofrer profundo / Que do mártir faz um santo

Santo inútil e gelado / As botas marchando a par
Eco de armas de matar / Com sangue, escrevendo fado

Se canto do coração / Um sofrer habituado
Dizem que é pequeno o fado / O fado do coração

Eu também existo em mim / Se morro também sou eu
E a morte é sempre um breu / Sem asas de Serafim

Que cante um fado de guerra / Que cante o do coração
É sempre de intervenção / Se a voz me sabe a terra