- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.266.500 VISITAS <> SETEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Eléctrico de Lisboa

Mário Raínho / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Cidália Moreira

Ainda a última estrela
Do céu não desapareceu
Já um eléctrico tagarela
Subiu Lisboa e desceu

Leva um cabo sobre o ombro
Como mastro dum navio
Desce a calçada do Combro
Como um barco desce o rio

Tens janelas de ternura / Donde espreitas com enleio
Esse puto que à pendura / Se esconde do guarda-freio
Ai, eléctrico de Lisboa / Que és minha cara metade
És mais que qualquer pessoa / Um pedaço da cidade

Dentro da tua viagem
Essa memória alfacinha
Perde-se nessa paisagem
Que afinal é tua e minha

Transportas no teu regaço
Povo que é teu passageiro
Aqui te deixo um abraço
Ó meu velho companheiro