- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.603.800 VISITAS < > OUTUBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Nasci p'ra ser ignorante

Sebastião da Gama / Carlos Gonçalves
Repertório de Ana Moura


Nasci p'ra ser ignorante
Mas os parentes teimaram
E dali não me arrancaram
Sem fazer de mim, estudante
Que remédio, obedeci
Há já três lustros que estudo
Aprender, aprendi tudo
Mas tudo desaprendi

Perdi o nome ás estrelas / Aos nossos rios e aos de fora
Confundo fauna com flora / Atrapalham-me as parcelas
Mas passo dias inteiros / A ver o rio passar
Com aves e ondas do mar / Tenho amores verdadeiros

Rebrilha sempre uma estrela / Por sobre o meu parapeito
Pois não sou eu que me deito / Sem ter falado com ela
Conheço mais de mil flores / Elas conhecem-me a mim
Só não sei como em latim / As crismaram os doutores

Enquanto as aves correrem
Não sentirei calafrios
Que flores aves e rios
Ignorante é que me querem