- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.555 LETRAS PUBLICADAS <> 2.603.800 VISITAS < > OUTUBRO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Quando eu fazia canções

Artur Ribeiro / Miguel Ramos *fado calisto*
Gravado por Trio Odemir

 Quando eu fazia canções
Não fui capaz de dizer
Nos meus versos as razões
Das minhas inibições
Em tudo o que quis fazer

Quando eu ainda cantava / Essas canções que fazia
Canções que o vento me dava / E o próprio vento levava
Quando o povo as aprendia

Agora já nem me queixo / E fico ausente, sem ver
Que neste eterno desleixo / A vida acaba e não deixo
Nada de mim, a quem quer

Estes versos magoados / São epitáfio por mim
Neste mundo de falhados / Eu por mal dos meus pecados
Quis ser eu, até ao fim