- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

"mp3 disponíveis"

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.295 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.135.500 VISITAS /*/ 31.05 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

" fadopoesia@gmail.com "

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa >

Condição

Diogo Clemente / Paulo Loureiro
Repertório de Ana Laíns

Parti com as horas e a razão
Cheguei, mais um adeus, mais uma vez
Porque há-de ser maior que a angústia o meu perdão
Porque hei-de estar sempre na soma que Deus fez

Parti, já sem longe, sem olhar
Cheguei com olhos d’água á tua mão
No fundo, nada tem a casa por esperar
E deixo o frio a dor e as roupas pelo chão

Depois, pouco mais que um Outono
Vem p’ra ficar sobre mim
Sei de cor, esta entrege á noite vã
Meu amor, somos barcos d’outro mar
Nós morremos devagar
E nascemos p’la manhã

Parti do teu mundo e como vês
Aqui me tens inteira por te amar
Sou como a beira-mar do Inverno e as marés
Que vão e voltam sempre á areia, sempre ao mar