- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Fado quimera

Rosa Lobato Faria / Nuno Nazareth Fernandes
Repertório de Mísia

Eu quis um violino no telhado
E uma arara exótica no banho
Eu quis uma toalha de brocado
E um pavão real do meu tamanho;
Eu quis todos os cheiros do pecado
E toda a santidade que não tenho

Eu quis uma pintura aos pés da cama
Infinita de azul e perspectiva
Eu quis ouvir as Cármina de Burana
Na hora da orgia prometida;
Eu quis uma opulência de sultana
E a miséria amarga da mendiga

Eu quis um vinho feito de medronho
De veneno, de beijos, de suspiros
Eu quis a morte de viver dum sonho
Eu quis a sorte de morrer dum tiro;
Eu quis chorar por ti durante o sono
Eu quis ao acordar fugir contigo

Mas tudo o que é excessivo é muito pouco
Por isso fiquei só, com o meu corpo