- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

A cantadeira ambulante

Pedro Homem de Melo / Jaime Santos *fado alfacinha*
Repertório de Teresa Tarouca

A cantadeira ambulante / Canta-nos tão devagar!
Ao pé dela, nesse instante / Só para a ouvir cantar;
Os noivos passam - não cessa / O encanto dessa cantiga!
Tristeza que não castiga / Porque o amor é promessa

A cantadeira ambulante / Canta-nos tão devagar!
Ao pé dela, nesse instante / Só para a ouvir cantar;
Passam dois velhos – má sorte / A dor daquela cantiga!
Voz negra, voz inimiga / Onde há pronúncios de morte

A cantadeira ambulante / Canta-nos tão devagar!
Ao pé dela, nesse instante / Só para a ouvir cantar;
Passa um menino – tão brando / O som daquela cantiga!
E a canção da rapariga / Vai fugindo e vai brincando