- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.347.000 VISITAS <> NOVEMBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Lenda

Aires dos Santos Agnelo / José Fontes Rocha *fado Alexandrino das patameiras* 
Repertório de Nuno de Aguiar 

Numa rua de Alfama existe um chafariz
Testemunho fiel de lendas muito antigas
O chafariz d'El-rei, segundo o povo diz
Foi palco dos amores de lindas raparigas

Certa donzela, um dia, sentia o desconsolo
Por ter partido a bilha que com ela levava
Mas alguém que passava com um menino ao colo
Pegou na cantarinha, a ver se a consertava

Foi milagre de Deus, ou artes do demónio
Pensou a linda moça, ao ver tal maravilha
Então, reconheceu que fora Santo António
Que cheio de esplendor, lhe consertara a bilha

Esta lenda faz parte das lendas seculares
Recontadas p’lo povo, preito tradicional
Pois, quando se festejam os santos populares
São tradições bairristas do nosso Portugal