- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ MARÇO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

Pesquisa.

Boémio

Carlos Conde / Miguel Ramos *fado alberto*
Repertório de Narciso Reis 

Ouvi dizer que está lá fora à porta
Um tipo da boémia à moda antiga
Que pede para entrar e não se importa
Também de vir cantar uma cantiga

Não sei se é o mesmo que eu já vi
Passar á minha rua embriagado
Entrar numa taberna que há ali
Dizendo a toda a gente – quero fado

Havia até lá dentro uma algazarra
Mas logo que ele entrou calou-se tudo
Ouvi depois trinar uma guitarra
Num som brônzeo, gemente e campanudo

Cá fora vinha o eco encher as almas
E toda a minha rua alvoraçada,
Ouviu-se o batucar de muitas palmas
No côncavo cristal da madrugada

Se é ele abram-lhe a porta por favor
Pois se não é o fado é irmão gémeo
Não vá dizer o mundo enganador
Que já se fecha a porta a um boémio