- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
Canal de JOSÉ FERNANDES CASTRO em parceria com RÁDIO MIRA

RÁDIO apadrinhada pelo mestre *RODRIGO*

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AS LETRAS PUBLICADAS REFEREM A FONTE DE EXTRAÇÃO, OU SEJA: NEM SEMPRE SÃO MENCIONADOS OS LEGÍTIMOS CRIADORES
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
ATINGIDO ESTE VALOR // QUE ME FAZ SENTIR HONRADO // CONTINUO, COM AMOR // A SER SERVIDOR DO FADO
POIS MESMO DESAGRADANDO // A TROIANOS MALDIZENTES // OS GREGOS VÃO APOIANDO // E VÃO FICANDO CONTENTES
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
6.515 LETRAS PUBLICADAS <> 2.552.800 VISITAS < > AGOSTO 2022
---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Baile dos quintalinhos

Carlos Conde / José Marques *fado triplicado*
Versão do repertório de Alcindo de Carvalho

Este tema também foi gravado por António Rocha 
com o titulo *Venham daí raparigas*
No livro de Carlos Conde este tema está publicado 
com o titulo *Relembrando o passado*

Venham daí raparigas
Ao Baile dos Quintalinhos
Perder a noite a dançar
A seguir temos cantigas
No retiro do Charquinho
Só com motes a atirar

Vamos todos de Cacilhas
Numa alegre burricada / À Cova da Piedade
À noite no Quebra-bilhas
Há peixe frito e salada / Com carrascão à vontade

Depressa gente rambóia
Dançar a polca janota / Até ao romper do dia
A seguir, temos tipóia
P’ra almoçar na Porcalhota / E jantar na Tia Iria

Vamos ao vinho em tigelas
Que aos arraiais cá da terra / Nunca falta gente faia
Depois da Quinta de Belas
Vamos do Senhor da Serra / Para os Círios da Atalaia

Fado, toiros, vinho tinto
Se era assim a mocidade / Como oiço dizer p’raí
Além da pena que sinto
Até chego a ter saudades / Daquilo que nunca vi