- - - - - - - - - -

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira

Canal de J.F.Castro em parceria com a Rádio Mira
° Caro visitante, existe 1 minuto de interregno entre a identificação dos intérpretes °
Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Existem (pelo menos) 80 letras publicadas que não constam do índice. Caso encontre alguma avise-me, por favor.

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

6.270 LETRAS PUBLICADAS /*/ 2.078.500 VISITAS /*/ FEVEREIRO 2021

ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO.

Pois mesmo desagradando // A "Troianos" maldizentes / Os "Gregos" vão apoiando // E vão ficando contentes

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Se não encontra a fado preferido // Envie, por favor, o seu pedido.

fadopoesia@gmail.com

- - - - - - - - - - - - - - - -

BARRA DE PESQUISA

Teu nome, Lisboa

Manuela de Freitas / José Mário Branco
Repertório de Camané

Já te chamaram raínha / Cidade-mãe da tristeza
Já te chamaram velhinha / Menina e moça, princesa

Já rimaram o teu cais / Com gaivotas e marés
Querem saber onde vais / Não querem saber quem és

Vão chorando as tuas mágoas / Sem matarem tua fome
Chamam Tejo ás tuas águas / P'ra não dizer o teu nome

Ai Lisboa se soubesses
Encontrar quem te encontrasse
Talvez um dia tivesses um nome que te agradasse
Ai Lisboa se evitasses
Que te chamassem á toa
Talvez um dia encontrasses quem te chamasse Lisboa

Já te chamaram vadia / Noite-mulher de má fama
Já te chamaram Maria / Teu nome ninguém te chama

Disfarçaram-te as raízes / Com roupagens de outra gente
Vão ouvindo o que tu dizes / P'ra esquecerem o que sentes

Engrandecem-te o passado / Fazem trovas ao teu povo
Vão repetindo o teu fado / Mas não te inventam de novo