- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.310.000 VISITAS <> OUTUBRO 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Teu nome, Lisboa

Manuela de Freitas / José Mário Branco
Repertório de Camané

Já te chamaram raínha / Cidade-mãe da tristeza
Já te chamaram velhinha / Menina e moça, princesa

Já rimaram o teu cais / Com gaivotas e marés
Querem saber onde vais / Não querem saber quem és

Vão chorando as tuas mágoas / Sem matarem tua fome
Chamam Tejo ás tuas águas / P'ra não dizer o teu nome

Ai Lisboa se soubesses
Encontrar quem te encontrasse
Talvez um dia tivesses um nome que te agradasse
Ai Lisboa se evitasses
Que te chamassem á toa
Talvez um dia encontrasses quem te chamasse Lisboa

Já te chamaram vadia / Noite-mulher de má fama
Já te chamaram Maria / Teu nome ninguém te chama

Disfarçaram-te as raízes / Com roupagens de outra gente
Vão ouvindo o que tu dizes / P'ra esquecerem o que sentes

Engrandecem-te o passado / Fazem trovas ao teu povo
Vão repetindo o teu fado / Mas não te inventam de novo