- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO

Rádio apadrinhada pelo mestre RODRIGO
CANAL DE JOSÉ FERNANDES CASTRO EM PARCERIA COM A RÁDIO MIRA

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -

Loading ...

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* As letras publicadas referem a fonte de extração, ou seja: nem sempre são mencionados os legítimos criadores *

<> 6.365 LETRAS <> 2.245.800 VISITAS <> AGOSTO DE 2021 <>

* ATINGIDO ESTE VALOR /*/ QUE ME FAZ SENTIR HONRADO /*/ CONTINUO, COM AMOR /*/ A SER SERVIDOR DO FADO *

* POIS MESMO DESAGRADANDO /*/ A *TROIANOS* MALDIZENTES /*/ OS "GREGOS VÃO APOIANDO /*/ E VÃO FICANDO CONTENTES *

* NÃO ENCONTRA O FADO PREFERIDO? /*/ ENVIE, POR FAVOR, O SEU PEDIDO * fadopoesia@gmail.com

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

* NASCEU ASSIM... CRESCEU ASSIM... CHAMA-SE FADO // Vasco Graça Moura // Porto 03.01.1942 // Lisboa 27.04.2014 *

---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

A morte da Mariquinhas

Maria Manuela Mota / Paulo de Carvalho
Repertório de Carlos do Carmo

Sem amigos e sem pão
La morreu a Mariquinhas
Dizem que foi no caixão
Feito só com tabuinhas

Num quarto escuro, fechado / Sem cortinas nas janelas
Em noite negra sem estrelas / Sem guitarras e sem fado;
Num silêncio bem magoado / Há choros no Capelão
E um ou outro coração / Já recorda cheio de dor
A que morreu sem amor / Sem amigos e sem pão

De todo o lado veio gente / Que se aperta e se atropela
Pois toda a gente quer vê-la / De rosto frio e ausente;
Mas com ela, isso é diferente / Não se riam as vizinhas
Altiva como as rainhas / Lenços e fitas agarra
E abraçada a uma guitarra / Lá morreu a Mariquinhas

Deixou escrito em testamento / Lido de alto p'las vizinhas
Que à guitarra e às tabuínhas / Seu espólio de momento;
Queria este seguimento / A guitarra ali à mão
E as tábuas no coração / Coisa um bocado bizarra
Mas o certo é que a guitarra / Dizem que foi no caixão

E chegou a madrugada / Com toda a gente na rua
Havia uns restos de lua / E de noite mal passada;
Mas foi data assinalada / Pois qual bando de andorinhas
As colegas e as vizinhas / Com o luto no coração
Transportavam o caixão / Feito só com tabuinhas